[Vá com o Carmo] Quatro Quadrinhos para pensar o nosso tempo

Parede do museu Picasso, Barcelona.

“Não, a pintura não é feita para decorar as paredes. É um instrumento de guerra ofensiva e defensiva contra o inimigo”.

Picasso, 24 de março de 1945.

Nas paredes do Museu Picasso em Barcelona, encontramos essas fortes palavras do mestre andaluz que adverte o incauto transeunte do grande equívoco do senso comum: de acreditar que a pintura é apenas uma forma de entretenimento esvaziada de subjetividade e conteúdo político que ultrapassa o seu próprio tempo e espaço. Assim como toda pintura, e por extensão todo gesto artístico, é político. Obviamente isso inclui os quadrinhos.

A seguir, quatro quadrinhos para pensar o nosso tempo e além:

HEIMAT: PONDERAÇÕES DE UMA ALEMÃ SOBRE SUA TERRA E HISTÓRIA de Nora Krug (com tradução de André Czarnobai). Quadrinhos na Cia, 2019.

Um livro de colagens, uma HQ, um álbum de fotografias, um livro de artista…. Heimat investiga o antissemitismo no passado da família de sua autora, ao passo que propõe um reflexão profunda sobre a culpa nacional alemã pelo Holocausto e acena/alerta para a ascensão da extrema direita no mundo, com paralelos tupiniquins inevitáveis. A Alemanha, país que passou por tudo isso, até hoje preserva a todo custo sua amarga memória em inumeráveis museus e documentos que fazem com que o remorso de uma nação inteira esteja sempre latente, e mesmo assim, vê crescer em seu território um terrível partido com claras filiações nazistas. Vemos hoje em um país como nosso, que nega seu passado histórico, o racismo estrutural, a ditadura militar e todo o seu horror, o resultado cabal desse obscurantismo. Precisamos emergencialmente resgatar o nosso “Heimat”, a nossa história, assumir suas vergonhas, desprezar sua reincidência e combater essa mentalidade hedionda e obscura que penetra no tecido social.

Significado da palavra “heimat”. Recorte da edição da Quadrinhos na Cia.
Páginas da edição alemã de Heimat

A TERRA DOS FILHOS de Gipi (com tradução de Michele Vartuli). Veneta, 2018.

Uma grande experiência em Quadrinhos. Uma imagem desoladora de um mundo terrível e infelizmente possível: sem livros, sem ciência, sem afeto. Mas que traz em si uma grade mensagem: Não podemos deixar os idiotas vencerem, Em tempos que, como esse, é necessário afirmar e defender o óbvio. O traço ágil, caligráfico, hachurado e caótico de Gipi dá à HQ um tom de emergência e aridez. O convulsivo emaranhado de linhas utilizados para representar as sombras e a penumbra contrasta com o espaço negativo das cenas diurnas que traduzem bem o vazio e a desolação de um mundo que se foi.

Páginas de “A Terra dos filhos”

PRIMAVERA EM TCHERNÓBIL de Emmanuel Lapage (com tradução de Fernando Paz). Geektopia, 2020.

Fui pego de surpresa por essa obra. Pensei que fosse encontrar um retrato lúgubre e melancólico de um desastre nuclear escamoteado em seu tempo pela política e pela imprensa, com uma ponta amarga de similaridade com a nossa situação atual em que temos um governo que nega o desastre sanitário da pandemia, nega as queimadas na Amazônia, nega o racismo, a ciência…

Me deparo com o relato poético e sincero de uma expedição até a “zona” em Tchernóbil, atravessado por uma densa discussão sobre a natureza do desenho enquanto e suas possibilidades de experimentar o mundo, por quem o faz e por quem o vê. “Como desenhar o invisível?” Se pergunta Lapage, evocando a grande máxima de Paul Klee: “O artista dá a ver aquilo que não é visível”. Uma obra que questiona a realidade do visível e a si mesma no processo de sua feitura, evoca o desenho enquanto investigação poética do mundo, do sensível, do visível e do indizível.

Páginas de “Primavera em Tchernóbil”

E DAÍ? de Guilherme E Silveira. Selo Risco Impresso, 2020.

Se tem uma HQ que, de forma brilhante, deu conta de traduzir em linguagem esse acachapante biênio do Covid 19, foi essa.

Partindo da infame e degenerada frase de nosso atual chefe de estado ao ser questionado por um jornalista a respeito do aumento do número de mortos em decorrência do Covid-19, essa “obra-resposta” se propõe a materializar, mesmo que no campo simbólico, o buraco que cada uma dessas vidas deixou no mundo. Num gesto serial, Guilherme escava essas covas no papel, uma por uma. Essas marcas, se agrupam e se multiplicam ao longo das páginas. Logo se apreende o livro-objeto como um todo.

O silêncio do luto só é quebrado pelo título que compõe as únicas palavras proferidas de toda a HQ. Quando a leitura se encerra, e o objeto é apreendido, o livro que se fecha não é o mesmo que abrimos. Só mesmo a linguagem dos quadrinhos para poder dizer e dar corpo ao inenarrável.

Com E Daí?, Guilherme E Silveira, à maneira de Picasso, “levanta” sua arte contra o abominável. Em 1937, quando Pablo Picasso foi questionado pelos soldados da SS, que apontaram para sua descomunal tela Guernica e perguntaram: “Foi você quem fez isso?”, e Picasso responde de pronto: “Eu não, foram vocês!”, se referindo não à representação do horror captado pela tela, mas o massacre real. É nessa mesma chave que imagino o Guilherme respondendo aos acólitos do sacripanta.

Capa e páginas de “E Daí?”
Guernica, Pablo Picasso, 1937

Não, os quadrinhos não são feitos só para decorar as estantes. São um instrumento de guerra ofensiva e defensiva contra o inimigo.

Publicado por Valter do Carmo Moreira

Professor, pesquisador, autor de histórias em quadrinhos e artista plástico.

E o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Vitralizado

Conteúdo aleatório justaposto em sequência deliberada

Vida Offline

Auto ficção

OutraCozinha

Comida é só uma desculpa pra falar do que nos mantém vivos

MONOTIPIA | MAG

Monotipia | revista digital

turgescência

maíra mendes galvão

MAKE MATTERS WORSE

How to improve the world

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Blog da Itiban

alimente-se

Liberpaz's Blog

Just another WordPress.com weblog

comic books from brazil

comic books from brazil

Lugar Certo

Tudo está no lugar certo

balbúrdia

Falamos de quadrinhos na maciota

forumsocialurbano.wordpress.com/

De 22 a 26 de março de 2010

%d blogueiros gostam disto: