[Vem Comigo] Baixo Centro

 

 

BaixoCentro

Baixo Centro é simples. O enredo não é nada demais: uma perseguição. É isso. Só que não é só isso. Durante a perseguição, a gente vê o Centrão de Beagá.

Fora a competência narrativa do Jão, com uma arte declaradamente influenciada pelo genial Tayio Matsumoto, o gibi me pegou muito pelo lado emocional. Eu morei um ano ali. Meu 2010 foi mineiro e eu amava a região. Ainda amo, mas tô longe. Fico feliz que o FIQ seja lá, bem debaixo do Viaduto Santa Tereza, porque de dois em dois anos visito o lugar, inclusive o prédio onde morei.

Ilustração+Livro+Baixo+Centro_aberta

Então, o “isso” se resume ao Jão usar uma perseguição como desculpa pra te mostrar o lugar. Pra transformar o Centrão no personagem principal. Se fosse outra cidade, talvez eu só elogiasse os desenhos, a fluidez sequencial, a representação das ruas e dos prédios,  da ponte, luz e sombra, os detalhes urbanos… mas isso é normal. Isso vale pra qualquer experiência.

Baixo Centro é me traz muita nostalgia. De vez em quando eu namoro o gibi, só pra matar saudade do cenário que me acompanhava todos os dias quando saía e voltava pra casa, não só ao ler o gibi (sem texto), mas também ao ler a apresentação pelo João Perdigão, que discorre sobre muita coisa que rolava e ainda rola por lá, desde os Duelos de MCs até os hábitos boêmios do Carlos Drummond de Andrade.

13187785_585401901619070_665436040_n

Todas as cidades mereciam uma homenagem assim.

 

E o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s