[Vem Comigo] Rumi, de Caio Zero

Rumi é um garoto de rua que mora em um prédio abandonado e tem como amigo o gato Nico. Passa os dias procurando comida nas ruas, no lixo. Faz malabarismo nos sinais de trânsito, recebendo centavos e indiferença dos motoristas. Tem a ajuda de uma senhora, a “tia”, que lhe dá alimento e roupas. Ela sempre o convida para ir morar com ela, mas ele recusa, porque está esperando algo. E assim vai até que Rumi conhece outra menina de rua, Malu, e a amizade entre os dois vai transformar significativamente suas vidas.

O trabalho de Caio Zero é suave e muito gentil com o leitor ao representar uma realidade brutal de maneira muito amenizada. Crianças em situação de rua são um tema grotesco, absurdo, uma prova cabal do nosso fracasso como sociedade. Em quadrinhos, há outros trabalhos que abordam o tema, como o celebrado Castanha do Pará, de Gidalti Jr, e Sonhos, de Marcelo D’Salete (presente no livro Encruzilhada). Muito difícil tratar de um tema desses, ainda assim, acredito que não se fala o suficiente sobre o assunto.

 Os desenhos de Caio Zero em Rumi dialogam com a ilustração infanto-juvenil, com o tipo de linguagem gráfica que associamos com histórias para crianças. São personagens rechonchudos, de expressão amigável. Ao mesmo tempo, os traços e a paleta de cores são pesados, carregados de certa escuridão.

Os diálogos causam alguma estranheza. Talvez falte a naturalidade da fala de crianças que cresceram na rua sem serem alfabetizadas, talvez seja a expectativa preconceituosa deste que vos escreve.

A leveza da história se apoia principalmente na amizade entre Rumi e Malu, que permanecem crianças saudáveis e alegres, apesar dos traumas que parecem carregar. Esses traumas podem ser imaginados a partir dos relatos de Malu, sobre a situação que a fez fugir de casa, e são escancarados quando as lembranças reprimidas de Rumi afloram e ele se dá conta de que foi o único sobrevivente de uma chacina.

O contraste da alegria e leveza da narrativa com a gravidade dos temas e ideias provoca uma tensão muito interessante na obra. Ainda que traga em sua forma diversos elementos associados a inofensivas histórias para crianças, tem a coragem e a habilidade de trazer para essas crianças um pouco do pior que os adultos têm a oferecer.

Rumi é uma publicação da editora Incompleta, lançada em abril de 2021 com tiragem de 450 exemplares.

Publicado por liberpaz

Desenho, rabisco, escrevinho.

E o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Vitralizado

Conteúdo aleatório justaposto em sequência deliberada

Vida Offline

Auto ficção

OutraCozinha

Comida é só uma desculpa pra falar do que nos mantém vivos

MONOTIPIA | MAG

Monotipia | revista digital

turgescência

maíra mendes galvão

MAKE MATTERS WORSE

How to improve the world

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Blog da Itiban

alimente-se

Liberpaz's Blog

Just another WordPress.com weblog

comic books from brazil

comic books from brazil

Lugar Certo

Tudo está no lugar certo

balbúrdia

Falamos de quadrinhos na maciota

forumsocialurbano.wordpress.com/

De 22 a 26 de março de 2010

%d blogueiros gostam disto: