[Vem comigo] Ah, como era boa a ditadura…

Continuando nosso esforço balburdiento de falar sobre publicações de autores que estarão na Bienal de Quadrinhos de Curitiba que VIRÁ A FURO daqui a 2 semanas (entre 8 e 11 de setembro), hoje ataco essa coletânea de charges e cartuns de Luiz Gê.

Ele é conhecido pelo álbum Avenida paulista (a gente deveria falar dele por aqui; fica aí a autocobrança, amigues). Ah, como era boa a ditadura, além das artes do Gê, tem o que eu considero o mejor da parada: textos de contextualização.

Não que eu não curta a arte do camarada, pelo contrário (aliás, aguardo ansioso uma publicação das histórias dele na Circo, na Chiclete com Banana e na Piratas do Tietê).

O livro retrata os últimos respiros da ditadura militar brasileira, já com a censura menos rígida e com um pouco mais de abertura ao humor e à crítica. Daí, Luiz Gê retrata figuras do governo e situações que faria um leitor de hoje perder a piada, não fossem os abençoadinhos dos textinhos de contextualização. Mais que a piada, o que esse leitor perderia seria a história dessa época. Sem essa compreensão, essa publicação serviria apenas de arquivo.

A editora Quadrinhos na Cia. deixou CINCO páginas (ô escassez, hein) pra gente ver como o álbum é por dentro (clique em qualquer parte dessa frase e veja).

Me toca pensar esse livro como um misto de reportagem com as charges/cartuns do Luiz Gê, indo além de uma seleta de material da época. O texto verbal (não creditado, aposto minhas fichas no próprio quadrinista) não explica a piada, mas complementa os desenhos, da mesma forma em que eles são complementados pelas palavras.

Não se trata de um texto ilustrado, porque o objetivo da publicação são as charges; mas tão pouco é um texto assessório, dada a importância na geração dos sentidos e na graça que o próprio estilo do texto tem.

Essa relação entre o desenho e a escrita tem engrenagem parecida a das histórias em quadrinhos, mas não é. Ou talvez seja. Não sei, na verdade, mas acho uma boa discussão. Sobretudo, é um retratinho de quando o Brasil foi pior do que hoje.

Aquilo de absorver a história e aprender alguma coisa com ela, pra parar de repetir as cagadas. Pelo menos é essa a esperança de quem faz crítica política.

Publicado por lielson

Francisco Beltrão (1980) - Curitiba (2000) - São Paulo (2011) - Salvador (2017) - São Gonçalo (2018) - Santa Maria (2019).

E o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Vitralizado

Conteúdo aleatório justaposto em sequência deliberada

Vida Offline

Auto ficção

OutraCozinha

Comida é só uma desculpa pra falar do que nos mantém vivos

MONOTIPIA | MAG

Monotipia | revista digital

turgescência

maíra mendes galvão

MAKE MATTERS WORSE

How to improve the world

palavrasecoisas.wordpress.com/

Comunicação, Subculturas. Redes Sociais. Música Digital. Sci-fi

Blog da Itiban

alimente-se

Liberpaz's Blog

Just another WordPress.com weblog

comic books from brazil

comic books from brazil

Lugar Certo

Tudo está no lugar certo

balbúrdia

Falamos de quadrinhos na maciota

forumsocialurbano.wordpress.com/

De 22 a 26 de março de 2010

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: