[A consciência de Zeni] Ceci n’est pas une BD

Ceci n'est pas une BD Clique nas imagens pra ver mais. Caroline Baldwin, de Taymans & wesel Le dormers, Sophie Calle (1979)  

[A consciência de Zeni] Passeio pelos canais de Mauritsstad

Aprendi depois de velho que aquilo que desconfiava era verdade: realmente estavam me falando menos do que aconteceu nas aulas de história. Não sei como isso anda hoje, mas lá no final dos anos 1980/começo dos 1990, quando eu fazia Ensino Fundamental (na real, eu fazia 1º Grau), o ensino de história tinha mais saltos … Continue lendo [A consciência de Zeni] Passeio pelos canais de Mauritsstad

[A consciência de Zeni] A deriva em Fachadas

Faz algum tempo que tenho gostado de imaginar o percurso da minha vida todo ligado: imaginação, sonho, vida desperta (no sentido dos olhos, não da mente). É só andar de um lugar pro outro. A diferença entre esses espaços seria dimensional (uma dimensão dessas das n-branas). Eu acho. Mas calma lá, acho melhor tratar de outro algo … Continue lendo [A consciência de Zeni] A deriva em Fachadas

[A consciência de Zeni] Uma volta com Jiro Taniguchi

No sábado passado, dia 11 de fevereiro de 2017, o mangaka Jiro Taniguchi morreu. Fiquei bem pegado com a morte do Taniguchi, meio sem saber direito o porquê. Ele teve só 3 mangás publicados no Brasil e eu só li o Gourmet (Conrad, 2009) – os outros são O livro do vento (2006); e Seton v.1 (2008), ambos … Continue lendo [A consciência de Zeni] Uma volta com Jiro Taniguchi

[A consciência de Zeni] Minha lista do Grampo 2017

Coluna de hoje é jogo rápido: por que escolhi os quadrinhos que escolhi na minha lista do Grampo 2017? Segue a leitura. A ideia do Grampo não é premiar a melhor HQ, mas talvez aquele livro que mais perambulou pela cabeça dos diversos listantes que escolhemos. É uma escolha de que obra foi "gostada" por mais … Continue lendo [A consciência de Zeni] Minha lista do Grampo 2017