[Bartheman] Defesa ilustrada da crítica das histórias em quadrinhos

balbs t shirt gerlach.gif
Ilustração do © Diego Gerlach (2017) para o empreendimento Camisas Balbúrdia

Nesse mês que termina, participamos de eventos e conversas, e lemos outras tantas discussões dos mais diversos níveis sobre a crítica. Escrevi sobre isso há bastante tempo, para a Antílope 1, mas uma das coisas mais comuns quando a gente escreve sobre a crítica, é que a massa crítica é bem reduzida, as bolhas são limitadas, e a gente acaba só “pregando para convertidos”. Fica chato me repetir e, ainda por cima, acho deselegante entrar nesse assunto, nessas conversas com meu distintivo de Crítica. Mas então, como aqui é um espaço seguro, e só a Maíra e o namorado dela vão ler mesmo, vou só apresentar algumas coisas que vêm roendo minha cachola, fazendo, em primeiro lugar, um apanhadinho histórico, depois mais específico sobre as histórias em quadrinhos, e em seguida uma breve avaliação dessa guerra polissêmica sobre escrever sobre histórias em quadrinhos. Continue lendo “[Bartheman] Defesa ilustrada da crítica das histórias em quadrinhos”

[A Consciência de Zeni] Quadrinhos Abstratos? – Parte 5

Gnut, de Paulo Crumbim

Eis que 2017 vai registrar uma coluna aqui sobre Quadrinhos Abstratos! A investigação segue, desta vez analisando um artigo do poeta, teórico e professor belga Jan Baetens chamado “Abstraction in Comics”.

Continue lendo “[A Consciência de Zeni] Quadrinhos Abstratos? – Parte 5”

[Kitinete HQ] Livros teóricos + melhores de setembro

Rodada dupla de Kitinete HQ com Rodrigo Scama e Liber Paz:

Esse daí é comemorativo de 200 programas e dedicado a livros teóricos sobre quadrinhos.

E aqui tivemos a lista de leituras mais batutas do Liber e do Scama.

[Bartheman] Da solidariedade icônica

julie doucet wordy

Julie Doucet, autora canadense da geração de Seth, Chester Brown, Adrian Tomine, tem um trabalho interessantíssimo. Não é só sobre ela que vou escrever aqui, mas gostaria de partir dessa página acima para divagar um pouco sobre quadrinhos.

Continue lendo “[Bartheman] Da solidariedade icônica”