Prêmio Grampo 2018 de Grandes HQs: O resultado final

O quadrinista Marcelo D’Salete é o vencedor do Prêmio Grampo 2018 de Grandes HQs. O álbum Angola Janga – Uma História de Palmares (Veneta) consta em 18 das 20 listas de eleitores convidados do Grampo, tendo acumulado 158 pontos na contagem dos votos. O gibi vencedor ficou à frente de Aqui (Cia das Letras), de Richard McGuire (106 pontos e presente em 13 listas) e Mensur (Cia das Letras), de Rafael Coutinho (83 pontos e presença em 11 listas).

O Top 10 do Grampo 2018 fecha com Paciência (Nemo), de Daniel Clowes (75 pontos); Sem Dó (todavia), de Luli Penna (59 pontos); Estudante de Medicina (Veneta), de Cynthia B. (37 pontos); O Homem que Passeia (Devir), de Jiro Taniguchi (32 pontos); Alho Poró (La Gougotte), de Bianca Pinheiro (28 pontos); Úlcera Vórtex (Escória Comix), de Victor Bello (24 pontos); e, empatados em 10º, com 23 pontos, Akira – Volume 1 (JBC), de Katsuhiro Otomo; Black Hole (DarkSide Books), de Charles Burns; e Boxe (La Gougotte), por Alexandre S. Lourenço.

Com cinco títulos mencionados nos 20 rankings, estando dois deles entre os seis primeiros (Angola Janga e Estudante de Medicina), a editora Veneta acumulou 221 pontos a maior pontuação no somatório geral de títulos por editoras. Responsável pelo lançamentos dos quadrinhos na segunda e terceira posições, Aqui e Mensur, a Cia das Letras somou 190 pontos. Com quatro obras mencionadas, inclusive a quarta colocada no ranking geral (Paciência, de Daniel Clowes), a Nemo ficou com 85 pontos. As seis obras mencionadas da editora Mino somaram 71 pontos. O quinto lugar no ranking de editoras ficou com a todavia, com 70 pontos. Devir (53 pontos), La Gougoutte (52 pontos), DarkSide Books (45 pontos), Pipoca & Nanquim (37 pontos), Escória Comix (30 pontos) e Panini Comics (30 pontos e a liderança no número de títulos, com oito quadrinhos), fecham o top 10 dos selos.

No total, foram mencionadas 78 HQs. Os rankings individuais de cada um dos jurados estão disponíveis aqui. Os 20 quadrinhos mais bem colocados na soma dos rankings e as demais obras listadas constam a seguir.

Rafael Coutinho (Grampo Bronze 2018 por Mensur), à esquerda, Emilio Fraia, à direita (editor da Quadrinhos na Cia), recebe Grampo Prata por Aqui, de Richard McGuire; Rogério de Campos, no meio (editor da Veneta), levou o Grampo Ouro para Marcelo D’Salete

1) Angola Janga – Uma História de Palmares (Veneta), por Marcelo D’Salete [158 pontos];

Com uma pontuação espetacular e aparecendo em 18 das 20 listas, Angola Janga – Uma História de Palmares ficou com o Grampo de Ouro 2018. A obra apresenta o resultado de uma pesquisa histórica e visual de mais de uma década a que Marcelo D’Salete se dedicou (sendo Cumbe outra obra surgida dessa investigação). D’Salete narra histórias de Palmares, aproveitando brechas dos fatos históricos pra adicionar ficção, entregando narrativas que contam a luta dos escravizados, tornando Angola Janga uma espécie de épico moderno. Fazia tempo que não se via um livro dessa magnitude em quadrinhos.

Votaram (a seguir, os nomes dos eleitores da obra com as posições do título em seus respectivos rankings): Carlos Neto (1º), Carol Ito (2º), Cecília Arbolave (4º), Daniel Lopes (2º) , Daniela Cantuária P. Utescher (1º), Dandara Palankof (2º), Liber Paz (3º), Lielson Zeni (2º), Luciana Foraciepe (1º), Maria Clara Carneiro (2º), Milena Azevedo (1º), Mitie Taketani (1º), Paulo Cecconi (1º), Paulo Floro (1º), Ramon Vitral (3º), Raquel Moritz (8º), Sérgio Chaves (1º) e Thiago Borges (4º).

2) Aqui (Cia das Letras), por Richard McGuire (tradução: Érico Assis) [106 pontos];

O Grampo de Prata 2018 vai para o inventivo Aqui, de Richard McGuire. Essa é outra obra que precisou de anos de trabalho (25!) para chegar a sua forma final. Surgida como uma história curta de 6 páginas na revista norte-americana Raw, a sua versão expandida não perde força na investigação da memória e do tempo de forma extremamente adequada à linguagem dos quadrinhos. Essa forma bastante particular serve a apresentação de tocantes histórias de pessoas que passam diante dos olhos do leitor em um mesmo espaço (quase sempre um canto de sala). Por levar a noção de espaço-tempo para um ponto da linguagem que sempre esteve ali, mas ninguém ainda tinha feito, Aqui é uma obra que merece ser pensada, relida e discutida por todos os interessados em histórias em quadrinhos.

Votaram: Carlos Neto (9º), Cecília Arbolave (1º), Daniel Lopes (1º), Dandara Palankof (1º), Lielson Zeni (1º), Maria Clara Carneiro (4º), Milena Azevedo (6º), Mitie Taketani (6º), Paulo Cecconi (2º), Paulo Floro (2º), Ramon Vitral (1º), Sérgio Chaves (2º) e Thiago Borges (1º).

3) Mensur (Cia das Letras), por Rafael Coutinho [83 pontos];

O Grampo de Bronze 2018, Mensur, tem em comum com as duas outras obras premiadas o tempo de pesquisa e produção, pois Rafael Coutinho dedicou sete anos às páginas de Mensur. Em uma habilidosa mistura de duelo alemão de espadas com a cultura de fraternidades das faculdades brasileiras, Coutinho apresenta o personagem Gringo, que como o nome indica, não pertence a lugar nenhum. O leitor acompanha as andanças do personagem através do traço curvilíneo e de páginas dinâmicas, que simulam a dança das lutas e as viagens de Gringo de forma justa (e linda) aos quadrinhos.

Votaram: Cecília Arbolave (3º), Dandara Palankof (3º), Érico Assis (1º), Liber Paz (1º), Lielson Zeni (5º), Maria Clara Carneiro (1º), Milena Azevedo (7º), Paulo Cecconi (4º), Paulo Floro (4º), Ramon Vitral (6º), Thiago Borges (3º).

4) Paciência (Nemo), por Daniel Clowes (tradução: Jim Anotsu) [75 pontos];

Votaram: Carlos Neto (3º), Daniel Lopes (5º), Dandara Palankof (4º), Daniela Cantuária P. Utescher (4º), Mitie Taketani (4º), Paulo Cecconi (7º), Paulo Floro (3º), Ramon Vitral (2º), Sérgio Chaves (4º) e Thiago Borges (6º).

5) Sem Dó (todavia), por Luli Penna [59 pontos];

Votaram: Cecília Arbolave (8º), Daniela Cantuária P. Utescher (6º), Liber Paz (5º), Lielson Zeni (3º), Maria Clara Carneiro (3º), Mitie Taketani (6º), Paulo Cecconi (8º), Paulo Floro (6º), Ramon Vitral (7º), Sérgio Chaves (5º) e Thiago Borges (5º).

6) Estudante de Medicina (Veneta), por Cynthia B. [37 pontos];

Votaram: Cecília Arbolave (9º), Daniela Cantuária P. Utescher (5º), Dandara Palankof (6º), Liber Paz (10º), Luciana Foraciepe (2º), Maria Clara Carneiro (7º), Paulo Floro (5º) e Sérgio Chaves (7º).

7) O Homem que Passeia (Devir), por Jiro Taniguchi (tradução: Arnaldo Oka) [32 pontos];

Votaram: Daniel Lopes (8º), Érico Assis (2º), Larissa Martina (9º), Lielson Zeni (4º), Milena Azevedo (8º) e Mitie Taketani (3º).

8) Alho Poró (La Gougotte), por Bianca Pinheiro [28 pontos];

Votaram: Carol Ito (1º), Érico Assis (9º), Liber Paz (4º), Lielson Zeni (8º), Paulo Cecconi (6º) e Ramon Vitral (9º).

9) Úlcera Vórtex (Escória Comix), por Victor Bello [24 pontos];

Votaram: Daniela Cantuária P. Utescher (9º), Luciana Foraciepe (4º), Ramon Vitral (5º) e Thiago Borges (2º).

10) Akira – Volume 1 (JBC), por Katsuhiro Otomo (tradução: Drik Sada) [23 pontos];

Votaram: Daniel Lopes (9º), Dandara Palankof (5º), Larissa Martina (5º), Milena Azevedo (3º) e Paulo Cecconi (10º).

10) Black Hole (DarkSide Books), por Charles Burns (tradução: Daniel Pellizzari) [23 pontos];

Votaram: Carlos Neto (4º), Daniel Lopes (4º) e Larissa Martina (2º);

10) Boxe (La Gougotte), por Alexandre S. Lourenço [23 pontos];

Votaram: Daniela Cantuária P. Utescher (7º), Érico Assis (5º), Liber Paz (8º), Mitie Taketani (9º), Paulo Floro (7º) e Thiago Borges (7º).

13) Meu Amigo Dahmer (DarkSide Books), por Derf Backderf (tradução: Érico Assis) [22 pontos];

Votaram: Daniela Cantuária P. Utescher (3º), Larissa Martina (7º), Milena Azevedo (10º), Paulo Cecconi (3º) e Paulo Floro (10º).

13) Sshhhh! (Mino), por Jason [22 pontos];

Votaram: Cecília Arbolave (2º), Dandara Palankof (7º) e Liber Paz (2º).

15) O Maestro, O Cuco e A Lenda (Texugo Editora), por Wagner Willian [21 pontos];

Votaram: Carlos Neto (7º), Cecília Arbolave (5º), Liber Paz (9º), Paulo Floro (9º) e Ramon Vitral (4º).

16) Condado de Essex (Mino) por Jeff Lemire (tradução: Dandara Palankof) [20 pontos];

Votaram: Larissa Martina (8º), Milena Azevedo (2º) e Raquel Moritz (3º).

17) Rugas (Devir), por Paco Roca (adaptação: Leandro Luigi) [16 pontos];

Votaram: Carlos Neto (5º), Daniel Lopes (6º) e Sérgio Chavez (6º).

18) Labirinto (Mino), por Thiago Souto [14 pontos];

Votaram: Carlos Neto (8º), Daniela Cantuária P. Utescher (2º) e Milena Azevedo (9º).

19) Um Pequeno Assassinato (Pipoca & Nanquim), por Alan Moore e Oscar Zarate (tradução: Marília Toledo) [13 pontos];

Votaram: Liber Paz (6º), Milena Azevedo (5º), Paulo Cecconi (9º).

19) Moby Dick (Pipoca & Nanquim), por Chabouté (tradução: Pedro Bouça) [13 pontos];

Votaram: Larissa Martina (4º), Raquel Moritz (7º) e Sérgio Chaves (9º).

Outras HQs listadas pelos jurados do Prêmio Grampo 2018: Acrobata (Independente), por Cris Peter e Ariana Rauber; Ainda Ontem (Piqui), por Taís Koshino; Baiacu (todavia), por vários (edição: Laerte e Angeli); Bar (Mino), por O Miolo Frito; O Barril Mágico de Lena Finkle (WMF Martins Fontes), por Anya Ulinich (tradução: Érico Assis); Beasts of Burden – Rituais Animais (Pipoca & Nanquim), por Evan Dorkin e Jill Thompson (tradução: Marília Toledo); Blacksad – Algum Lugar em Meio às Sombras (Sesi-SP), por Juan Diáz Canales e Juanjo Guarnido (tradução: Miguel Del Castill); Billie Holiday (Mino), por José Muñoz e Carlos Sampayo (tradução: Maria Clara Carneiro); O Bulevar dos Sonhos Perdidos (todavia), por Kim Deitch (tradução: Maria Clara Carneiro); Canção de Ada (Independente), por Samanta Floor; Chico Bento – Arvorada (Panini), por Orlandeli; Coletânea FLUP HQ Vol. 2: Cidade de Deus – 50 Anos (FLUP), por vários; Coração Partido (Sapata Press), por Ellie Irineu; Coresntein (Independente), por Cora Ottoni; Diastrofismo Humano (Veneta), por Gilbert Hernandez (tradução: Cris Siqueira); Dylan Dog #1 – Retorno ao Crepúsculo (Lorentz), por Tiziano Sclavi, Giuseppe Montanari e Ernesto Grassani (tradução: Júlio Schneider); Dylan Dog #2 – Manchas Solares (Lorentz), por Pasquale Ruju & Bruno Brindisi (tradução: Júlio Schneider); Eu Quero Acreditar (Beleléu), por Caio Gomez; Gastrite Nervosa (Independente), por Lovelove 6; Gus (Vol. 2 e 3) (Sesi-SP), por Christophe Blain (tradução: Fernando Paz); Ghost World (Nemo), por Daniel Clowes (tradução: Érico Assis); A Herança Becker (Zarabatana), por Magno Costa e Marcelo Costa; Holandeses (Veneta), por André Toral; Ilha de São Galalau (Independente), por André Valente; A Infância do Brasil (Avec), por José Aguiar; Inuyashiki #1 – #4 (Panini), por Hiroya Oku (tradução: Lídia Ivasa); Já Era (Lote 42), por Felipe Parucci; Kung-Fu Ganja – Volume 1 (Tapas), por Davi Calil; Os Limites do Walmor (Maria Nanquim), por Bruno Maron e Ricardo Coimbra; Linha do Trem – The Best of (Draco), por Raphael Salimena; Market Garden (Mino), por Bruno Seelig; O Melhor Que Podíamos Fazer (Nemo), por Thi Bui (tradução: Fernando Scheibe); Meu Macanudismo (Bebel Books), por André Valente; A Minha Depressão (Reva), por Elizabeth Swados (tradução: Christiano Brito Engman); Mulher-Maravilha: Renascimento (Panini), por Greg Rucka, Matthew Clark, Sean Parsons e Liam Sharp (tradução: Mario Luiz C. Barroso); Não Era Você que Eu Esperava (Nemo), por Fabien Toulmé (tradução: Fernando Scheibe); Não Tenho Uma Arma (Independente), Roger Vieira; Neo Cortex (independente), por Bárbara Malagoli; Nóia – Uma História de Vingança (Escória Comix), por Diego Gerlach; Noite das Trevas – Uma História Real do Batman (Panini), por Paul Dini e Eduardo Risso (tradução: Eric Novello e Levi Trindade); Paper Girls – Vol. 1 (Devir), por Brian K. Vaughan e Cliff Chiang (tradução: Kleber Ricardo de Sousa); As Pessoas São Frágeis e Ignorantes (Independente), por Lovelove 6; Pluto #1 (Panini), por Naoki Urasawa (tradução: Diógenes Diogo); Promethea – Volume 2 (Panini), por Alan Moore e J.H. Williams III (tradução: Óctávio Aragão/Fabiano Denardin); Reparos (Independente), por Brão Barbosa; Rosa Vermelha (WMF Martins Fontes), por Kate Evans (tradução: Marcelo Brandão); Síncope (Independente), por Aline Zouvi; Soco – Vol. 1 (Beleléu), por Gabriel Góes; Tablóide (Veneta), por L. M. Melite; Terreno (Independente), por Paulo Crumbim; Ugrito #11: Culpa (Ugra Press), por Cristina Eiko; Ugrito #12: Arracém (Ugra Press), por Diego Gerlach; Ugrito #14: Rommates, Mórbida Diferença (Ugra Press), por Bruno Maron; Um Ano Inteiro (Independente), por Galvão Bertazzi; Uma Bolota Molenga e Feliz (Seguinte), por Sarah Andersen (tradução: André Czarbonai); Viúva Negra (Panini), por Mark Waid e Chris Samnee (tradução: Leonardo Kitstune Camargo); O Xerife da Babilônia (Panini), por Tom King & Mitch Gerards (tradução: Levi Trindade); Wilson Lanchão (Escória Comix), por Lobo Ramirez.

5 comentários em “Prêmio Grampo 2018 de Grandes HQs: O resultado final

E o que você acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s